setembro 2011

dom seg ter qua qui sex sáb
        1 2 3
4 5 6 7 8 9 10
11 12 13 14 15 16 17
18 19 20 21 22 23 24
25 26 27 28 29 30  

Blog powered by Typepad
Member since 04/2004
Related Posts Widget for Blogs by LinkWithin

« O Ultramar que se lixe” | Main | VIDAS QUE FICARAM LÁ »

26-04-2004

TrackBack

TrackBack URL for this entry:
http://www.typepad.com/services/trackback/6a00d83451e35069e200d834787ff569e2

Listed below are links to weblogs that reference Repatriados - A geração de ouro dos retornados :

Comments

fernando ribeiro

Fomos rotulados de retornados mas,conseguimos impor na sociedade portuguesa e no estrangeiro.Vim de Angola em 75 nasci em Luanda,estive em santo antonio do zaire,voltei a luanda e depois de 73 a 75 nova Lisboa(Huambo)e fui para Portugal um mes antes da independencia.logo em 76 emigrei e ja estou ha 30 anos na Suiça.Tirei um curso em Nova Lisboa de dactilografia no salao progresso que ficava na rua torres garcia,se por acaso aparecer alguem que andou la nessa altura contacte-me pode ser que nos conhecemos.Um abraço a todos os (retornados).Meu email:ribeiro_fernando1956@hotmail.fr

celestino dias

Procuro o me padrinho, Fernando de Oliveira Barroso retornado vindo de Angola na altura da independencia, filho de D. Angelina Oliveira Barroso de Entre-os-Rios. Celestino Dias

Helder Santos

Para os interessados, um excelente livro sobre a Ponte Aérea de 1975, acabado de sair:
"SOS Angola - Os dias da Ponte Aérea"
http://www.facebook.com/pages/SOS-Angola-Os-Dias-da-Ponte-A%C3%A9rea/189205341148393

Francisco de Olveira Zeca

É muito importante, voltar na sua terra natal, á muito espaço em Angola, para a colher os filhos da terra.
um a abraço!

SERGIO MARCELOS DOS SANTOS

Olá meu nome é Sergio Marcelos Dos Santos.

Perdi meu pai em 1975 em Moçambique i foi-lhe tirado quando ele tentou
para me levar com ele para Portugal

Eu nasci em 1974, 04 de Maio, como eles dizem o nome do meu pai verdadeiro é Marcelos
DOS SANTOS, meu nome é mathers ROSA OU ROZITA RENESTO minguar.

Eu nasci em ALTO-MAR, quando ele usa para ser cidade de Lourenço Marques, a minha mãe
agora ela está morta e eu não tenho família e agora um que pode me ajudar a encontrar o meu
pai i ir para todos os sites à procura do meu pai e ainda não obtive qualquer
resposta até agora eu fui à procura dele para aproximadly 35 anos e nada.

por favor se alguém lê esta massagem e se você tiver qualquer contato com Portugal TV,
POR FAVOR ME AJUDA SI TIVERES CONTACT COM A TV POR FAVOR

meu endereço de e-mail é: a.mackenzie74 hotmail.co.uk @ meu número é 0754 788 2605 i
viver em LONDRES

Muito obrigado por ler minhas tristezas ....

Postado por: SERGIO Marcelos DOS SANTOS

SERGIO MARCELOS DOS SANTOS

hello my name is Sergio Marcelos Dos Santos .

i have lost my father in 1975 in Mozambique i was taken from him when he tried to take me with him to Portugal

i was born in 1974 04 of May , as they say my real father's name is MARCELOS DOS SANTOS, my mathers name is ROSA OR ROZITA RENESTO WANE.

I was born in ALTO-MAR when it use to be City of Lourenco Marques, my mother now she's dead and i have no family and now one that can help me find my father i go to every website looking for my father and still not getting any reply so far i have been looking for him for aproximadly 35 yrs and nothing .

please if anyone reads this massage and if you have any contact with portugal TV's PLEASE HELP ME PLEASE

my email address is : a.mackenzie74@hotmail.co.uk my number is 0754 788 2605 i live in LONDON

Many thanks for reading my sorrows....

Olinda Cavadinha Lopes da Costa

Sou Olinda Cavadinha Lopes da Costa nasci em Lourenço Marques em 1950..Estudei no Colégio do Sagrado Coração de Maria (Aveiro)(lembro-me da Maria José Couceiro, da Mirelle, da Gracinda e uma outra irmã delas, tinham vindo do Congo). Voltei para Lço Marques para o Colégio D.António Barroso (sou do tempo da Paula Craveiro Lopes, Luisa Godinho Nogueira), cheguei a andar no Liceu D.Ana da Costa Portugal (do tempo da Teresa Pinto Coelho), depois fui para a África do Sul, para New English High School em Witbank (fui colega da Ana Rocha, da Maria João Casnova, dos irmãos Gonçalves, dos primos Dométrio (Jorge e Rogério...)da Carmen que mais tarde veio a casar com Dométrio( se a memória não me falha), do António Pina, enfim de muitos outros de que já não me lembro. Depois fui trabalhar para o Barclays, a seguir Banco Comercial de Angola, e em vindo 1974 vim viver (casada) para Vila Real. Se alguém está a ler agradeço que me escreva para o meu e-mail, ficarei muito feliz. olinda.cavadinha@gmail.com ... Repeti esta missiva pois dei conta do meu anterior email estar incorrecto

Luis Martins Saores

Li o depoimento do sr.João Paulo da Silva Coelho que me deixou estarrecido com o que ele escreveu.
Então Salazar "foi o que teve menos culpa só teve culpa numa coisa foi quando criou a moeda para as colónias aí sim teve culpa porque criou uma moeda para cada colónia, mas ele fez isto com boa intenção fixar lá os portugueses para faser das colónias futuras nações. Mas mal pensava ele que estava a cortar as pernas dos portugueses. Porque se o escudo fosse o mesmo Portugal hoje era mais rico ...
O senhor nasceu em stp (?), mas eu nasci em Luanda. Como era o seu relacionamento com os negros? Era de igual para igual? Lá no stp existiam brancos serventes ou ajudantes de pedreiro? Qual era a diferença de salário de um motorista negro com um motorista branco? Sou branco filho de minhoto e benguelense, não participei em movimentos de Libertação e pense um pouco se todos eramos portugueses como ultimamente apregoava a politica salazarista. Sabe que eu por ter nascido em Angola era apelidado principalmente pelos portugueses "matarruanos" como branco de segunda e por ser filho de uma senhora natural de Benguela era apelidado de cabrito. Está esquecido? Os portugueses foram os principais racistas durante a colonização quer contra os negros como contra os brancos de segunda, cabritos e mulatos.
Não diga mais asneiras e para terminar se Portugal tivesse, quando da tomada daqueles territórios, implantado uma politica de igualdades talvez não tivesse aflorado tanto ódio daqueles que tiveram sua terras invadidas por indivíduos brancos e submemetidos a regime de semi-escravidão. Caro joão Paulo, preferi vir para o Brasil em voo direto de Luanda para São Paulo com recursos próprios do submeter-me aos preconceitos de gente que viveu sempre agarrada às tetas da vaca (Portugal)enquanto elas tinham leite para extrair (Angola).
Luís Martins Soares

Rosalva Fonseca

Rosalva Fonseca , nasci na Bela Vista Huambo , actual Katchiungo , Aproveito o Blogg para divulgar o XX Almoço / Convivio de todos os Belavistenses e Antigos Alunos do Colegio Teresiano da Bela Vista .. SE nasceste , viveste ou estudaste na Bela Vista ,, Junta-te a nós dia 11 de Junho em Peniche . Para te inscreveres contacta Rosalva Fonseca telf. 939398160 rosalvafonseca@gmail.com ..Não Faltes!!

alda rosa

procuro minha madrinha Emilia Grade. Morava em Luanda Angola, Bº Miramar, Rua António Enes, junto a Pedreira. O Marido chamava-se Raúl Grade, trabalhador do Porto e Caminhos de Ferro, falecido em 1973 em Luanda.
Quem tiver alguma informação pode enviar uma Mensagem para: aldalouro@hotmail.com

OLinda Cavadinha L Costa

Sou Olinda Cavadinha Lopes da Costa nasci em Lourenço Marques em 1950..Estudei no Colégio do Sagrado Coração de Maria (Aveiro)(lembro-me da Maria José Couceiro, da Mirelle, da Gracinda e uma outra irmã delas, tinham vindo do Congo). Voltei para Lço Marques para o Colégio D.António Barroso (sou do tempo da Paula Craveiro Lopes, Luisa Godinho), cheguei a andar no Liceu D.Ana da Costa Portugal, depois fui para a África do Sul, para New English High School em Witbank (fui colega da Ana Rocha, da Maria João Casnova, dos irmãos Gonaçalves, dos primos Dométrio (jorge e ...)da Carmen que mais tarde veio a casar com Dométrio( se a memória não me falha), do António Pina, enfim de muitos outros de que já não me lembro. Depois fui trabalhar para o Barclays, a seguir Banco Comercial de Angola, e em vindo 1974 vim viver (casada) para Vila Real. Se alguém está a ler agradeço que me escreva para o meu e-mail, ficarei muito feliz. olinda.cavadinha@mail.com ... até sempre.

Daniel Santos

Sou filho de retornados de Luanda e só quando eles me explicaram o ponto de vista deles é que eu ouvi uma opinião negativa acerca do 25 de Abril. Daí até formar a minha própria opinião, hoje negativíssima, foi um passo gradual ao longo dos anos. A pedido de minha mãe gostaria de usar este meio para contactar algum membro da família Mota Veiga, que morou na Gabela aquando os meus pais là moraram. O meu mail é Danielsantos74@yahoo.com. O meu pai era funcionário no Banco de angola e a minha mãe modista. Fico à espera.

joao silva

Nasci e fui criado em Lourenco Marques de onde sai rumo a Portugal em 1975; nao me adaptei e nao suportava a descriminacao, peguei nas malas rumo aos Estados Unidos da America aonde cheguei em abril de 1978. aqui estou no estado de New Nersey. tenho muitas memorias da minha cidade natal que espero visitar em 2010. um abraco a todos os coca colas. Joao Manuel Cerqueira da Silva

João Paulo da Silva Coelho

Nasci em stp e principe em 1965 eu e os meus dois irmãos meu pai alentejano e minha mãe algarvia. Tambem senti na pele o sentido pejorativo da palavra retornado. Meu pai como repatriádo também teve que começar uma vida completamente do zero, foram 20 anos de África que ficaram para trás sem contar para nada nem para a reforma conta. Meu pai não foi dos mais infelizes daqueles que não trouxeram nada conseguiu ainda tazer alguma coisa para iniciar uma nova vida. Porque em stp não houve uma guerra como nas outras colónias, houve uma pequena revolução que práticamente nâo passou disso. Mas mesmo assim houve muita gente que veio com uma mão á frente e outra a trás. Cá na metrópole qundo iniciei a minha vida escolar a palavra retornado não a sentia com muito desagrado talvez porque nessa altura tinha 8 anos e então não lhe desse o verdadeiro sentido, aonde eu ia aos "arames" era quando me envolvia numa zaragata com os meus colegas de escola e me diziam: "pensas que vens fazer aqui o mesmo que fazias lá aos pretos".Nesta sitiação é que eu ficava mesmo mal e então respondia de qualquer maneira. Porque em stp nunca senti rácismo eu andava na escola com colegas brancos e pretos os empregados de balcão da loja do meu pai eram brancos e pretos e assim como os do escritório, na farmácia o enfermeiro era preto o director do hospital central era preto nunca senti o minimo de racismo senti racismo quando cheguei á metrópole aí sim senti uma serta diferença. E ainda hoje muitas veses somos apelidados como brancos de segunda já com um sentido menos pejorativo, mas vão dizendo. Eu também acho que fomos vendidos para mim o grande culpado disto foi o senhor Mário Soares que fez uma descolonisação de envergonhar o mundo o titulo que eu dou ao seu feito que o tem tanto vangloriado foi (SALVE-SE QUEM PODER). Realmente foi uma vergonha. A segunda pessoa que eu culpo mas menos e que tanto falam mal foi o SALAZAR, este foi o que teve menos culpa só teve culpa numa coisa foi quando criou a moeda para as colónias aí sim teve culpa porque criou uma moeda para cada colónia, mas ele fez isto com boa intenção fixar lá os portugueses para faser das colónias futuras nações. Mas mal pensava ele que estava a cortar as pernas dos portugueses. Porque se o escudo fosse o mesmo portugal hoje era mais rico, os portugueses que vieram sem nada tinham feito um pé de meia .

Mamé

pedem comentários e depois não acrescentam aos outros?Escrevi alguma coisa errada ou mentiras?

marta

o meu pai,avó,tios e primos nasceram em angola, na cidade de nova lisboa e tal como voces vieram para portugal com o "rotulo" de retornados ,nome que detesto,chegaram sem conhecer o país, e a familia separou-se, uns ficaram pelo norte, minha avó em lisboa o meu pai foi ter com a familia do meu avô nos açores. por causa desta situaçao a familia separou-se e a minha avó morreu sem nunca mais voltar a sua terra natal

Joao Faria

Depois de ter vivido e trabalhado em Angola 18 anos e 7 meses
no dia 6 de Setembro de 1975 abandonava Angola com a esposa e três filhos, em portugal
na terra que me tinha visto nascer senti-me um estrangeiro, com uma marca
de retornado, havia que partir desta vez para o Canada.
Vencemos outra vez a experiência e a vontade de vencer abriu as portas
para uma integração total neste Pais.
A Portugal nunca fui ainda que tive-se ganho na companhia onde trabalho
uma viagem com estadia paga no Algarve pôr três semanas, porque ha ainda
figuras como o Mário Soares que contribuirão para aquilo que chamávamos venderam-nos.

Ana Rita

Os meus avós vieram de Angola no 25 de Abril, vieram recordando os momentos felizes que lá passaram. A minha mãe e o meu tio eram muito pequenos por isso não se recordam da desgraça que lá ocurreu.
Toda a gente recusava alugar 1 quarto aos retornados, por isso os meus avós tiveram de viver numa casa que estava desabitada.
Eu penso muitas vezes "O que é que eu fazia se me acontecesse isso?"
E é tudo o que eu tenho a dizer sobre os retornados.


Luis Filipe Dos Santos

Sou retornado mas vivo fora de Portugal desde ja 25 anos. Naci e vivi em Angola os meus anos mais bonitos os meus pais pasaram muitos problemas ao chegar a Portugal e eu tambem, mas a maior tisteza e o que dizes fomos vendidos.....
Agora 26 anos depois comecei por iniciativa propia a contatarme com a gente em Angola pois nao vou a morrer com os deseijos da minha terra, ha muitas oportunidades para ver se posso voltar á terra que me viu nacer e por o menos verla outra ves ou tentar as saudades sao tantas esperamos e vemos que se pode fazer.

Desculpem o meu Portugues mas tenho tantos anos fora de de territorio Portugués que ja quase me esqueci de todo so agora comecei a falar outra ves.


Um abrazo a todos o meu correio e felipedosantos@hotmail.com


UM ANGOLANO DE ALMA E CORACAO

paulo cadavez

eu nasci na bonita cidade de lourenco marques e vivi no alto maie(nao sei se esta bem escrito)o meu pai Eduardo Armando Cadavez foi militar e depois trabalhou nos caminhos de ferro de lourenco marques a minha mae Rita Ferreira Marques Rodrigues era dona de casa ,ambos ja faleceram e eu ainda hoje recordo a tristesa e saudade que sentiam quando falava-se de mocambique eu nao consigo perdoar aos que para beneficio proprio venderam-nos e ao fim de20 anos em portugal deixei esse pais que tao mal tratou os meus pais os traumas que eu passei na escola porque dizia capim,qinhenta e maxibombo, gostava de ver lourenco marques outra vez para poder chorar todas as coisas mas que tivemos que viver .um abraco a todos bem hajam
Paulo Cadavez

Verify your Comment

Previewing your Comment

This is only a preview. Your comment has not yet been posted.

Working...
Your comment could not be posted. Error type:
Your comment has been saved. Comments are moderated and will not appear until approved by the author. Post another comment

The letters and numbers you entered did not match the image. Please try again.

As a final step before posting your comment, enter the letters and numbers you see in the image below. This prevents automated programs from posting comments.

Having trouble reading this image? View an alternate.

Working...

Post a comment

Comments are moderated, and will not appear until the author has approved them.