setembro 2011

dom seg ter qua qui sex sáb
        1 2 3
4 5 6 7 8 9 10
11 12 13 14 15 16 17
18 19 20 21 22 23 24
25 26 27 28 29 30  

Blog powered by Typepad
Member since 04/2004
Related Posts Widget for Blogs by LinkWithin

« Indemnização por bens perdidos no Ex-Ultramar | Main | CABINDA - UM PROBLEMA NÃO RESOLVIDO »

22-06-2004

Comments

Sérgio Zagallo

Cá volto. Vejo com desgosto que se trocam insultos ao invés de se tentar chegar a um consenso, chamado verdade! Portugal é vergonhoso pelas quezílias políticas, que atravessa hoje em dia. Não há uma idéia nacional e apenas uma troca de tiros entre as "tribos" rivais. Chegou ao ponto de, dizendo-se democrático, dois advogados hábeis terem feito um acordo tácito. Um que já ocupava o cargo de Presidente de República e o outro veio a a ocupar o de Primeiro Ministro, como se a vida da nossa Nação foi um mero julgamento de um processo cívil! Não lamento ter seguido a rota de Cabral. Fica-me o desgosto de ver tanta gente ao abandono, sem capacidade de se governar em África, porque, covardemente não se fizeram Universidades durante centenas de anos, nem se deram oportunidades àquelas pessoas para aprenderem a ginasticar a sua forma de pensamento. O que havia estava nas mãos do Vaticano. Covardia metropolitana, sim, senhor.

Sérgio Zagallo

Isto da malta estar aos "mimos" uns aos outros é nóia. Passou-se o que se passou e a verdade é simples. A tropa manteve a guerra em fogo lento, porque estava a dar. Fizeram-se fortunas à pala da guerra do ultramar. Foi a primeira vez, creio, em que atropa levava a família para a "guerra". Ficavam em Nampula, descansados da Silva, enquanto os milicianos davam o coiro ao manifesto nas zonas 100%. Não tiro a razão à Frelimo em querer a independência. Uma coisa porém é certa, os brancos de 1ª deviam ter sido honestos e negociado para nós (brancos de 2ª), que lá estávamos há gerações também ficássemos em condições dignas, com um reformular completo do sistema social. Não se fez. Houve revanches, porque anteriormente tinha havido abusos. Nisso até pagou o justo pelo pecador, como normalmente acontece, porque a sacanagrm já tinha dado à sola.
Hoje, décadas passadas, continuam as nóias do racismo a funcionar em Lisboa. É só ler os jornais.
Por essas e por outras vi-me embora para o Brasil e passo bem. Aqui não há racismo declarado. É crime constitucional. Chamar preto ou branquelas a um indivíduo, dá cana.
Acho que há aí gentinha que devia vir até aqui aprender o que é convivência multiracial. Só aqui em Porto Alegre há 52 etnias diferentes. A gente se dá e vamos vivendo. Em São Paulo creio que há mais.
Um tchau.

Fernando Gil

Retirado do C.M.(net):

Comentários

Segunda-feira, 21 Junho
- João Santos
30 anos passados e ainda existe ódio exarcerbado contra o Povo que foi traído pela "Metrópele". Traídos pelos militares no terreno, onde muitos pertencendo ao MFA não nos protegeram e ainda cooperaram com os movimentos de libertação para nos roubar e assassinar, traídos pelos políticos que panfleteavam uma "descolonização exemplar", e traídos pelo próprio povo português que ainda hoje tem inveja dos Portugueses que tudo perderam menos a dignidade e a vontade de trabalhar que não era bem vista pelos srs dos cravos.

- João Santos
A xenofobia dos que se dizem portugueses está bem patente em certos comentários. A inveja dos hipócritas é tanta que, passados 30 anos, ainda guardam o rancor comuna para com o povo que tudo perdeu. Povo esse trabalhador e não explorador, como continuam a apelidar-nos. Tristeza é o que sente por pessoas que escrevem sem saber o que foi a descolonização, dita exemplar pela extrema-esquerda (pspc), que até armas vendeu aos movimentos de libertação para matar portugueses. A História irá julgar os falaciosos de esquerda!

Domingo, 20 Junho
- joaquim ferreira da mota
Aqueles que ainda não se adaptaram á realidade ainda estão a tempo de o fazer,porque não foram empreendedores como os retornados? ficaram à espera que as benesses caissem do céu! Trabalhem e deixem se de estar a chular aqueles que trabalham prejudicando tudo e todos ao receberem o rendimento mínimo sem produzirem se fossem obrigados a irem trabalhar para as câmaras juntas de freguesia e outros. mas isso não querem eles o que querem é o mínimo e fazerem biscatos não descontando nada para o bem .

- J. Pereira
Estes retornados são muito espertos. Nas colónias exploravam os negros, cá querem explorar os pobres dos contribuintes portugueses. Sim, porque a maioria deles, hoje, estão bem instalados na vida, têm empresas e fogem aos impostos quanto podem.

Sabado, 19 Junho
- CP
Sr. LUSITANO. Vergonha deve ter você por ser invejoso e cobarde.Não tente tirar às pessoas o dinheiro que lhes foi "ROUBADO PELO ESTADO PORTUGUÊS". Estude todos os processos de descolonização dos outros países europeus e pode ser que aprenda alguma coisa. Mas desde já o aviso. Não vai ler nada sobre futebol.

- CP
Sr. NELSON CARDOSO. O sr. além de invejoso é de uma estupidez atóz. Será que 30 anos depois ainda não aprendeu nem sabe nada sobre a «descolonização» ou melhor, sobre a COBARDE FUGA das ex-colónias ?

- Lusitano_NS
Ó sr. Inácio Gil, o senhor deve ser um sonhador, só que anda com os sonhos trocados, quer mama vá a uma vaca leiteira, aí pode ser que se safe. Tenha vergonha.

- Inácio Gil
Para os que estiverem interessados adianto os telefones da Associação dos Espoliados de Moçambique - 218809996 - e da Associação dos espoliados de Angola -218816305.

- Rico Leal
É verdade que centenas de milhares de portugueses foram vítimas do vergonhoso processo de descolonização. Mas existem protagonistas! Assim sendo há que pedir-lhes responsabilidades. Parece-me absurdo exigir dos contribuintes maior sobrecarga de impostos para pagamento de dívidas que não contraíram. A maior parte dos espoliados de África hoje em dia estão bem instalados, creio até que nalguns casos com ajudas do Estado. Aqueles que tiveram menos êxito terão de sujeitar à sorte de tantos outros compatriotas! (Louriçal)

- Ricardo Martins
Agradeçam ao Dr. Mário Soares e amigos a linda descolonização que tiveram. Deram tudo de mão beijada aos "Corvos" e depois quando eles tudo destruiram, abriram-lhes as portas do nosso Pais para arrasarem com o resto. No entanto eles continuam a viver das negociatas ilicitas em África, queriam era pendurados!

- Rodolfo Palha
Prezados Senhores,Através da internet fiquei ciente da existência do processo que tramita na Assembleia, sobre apetição dos bens espoliados aos ex-residentes em Moçambique.Sou natural de Moçambique - e construí minha vida na cidade de Nampula.Tinha um imóvel com duas casas sobrepostas e na época me negaram o direito de efectuar qualquer negociação. Resido no Brasil desde 1975. Gostaria de obter maiores informações sobre meus direitos.AtenciosamenteRodolfo Palha

- CP
Portugal foi o ÚNICO país da Europa que não indemnizou os compatriotas que viviam nas ex-colónias. UMA VERGONHA e UM ROUBO.

- nelson cardoso
Estes indivíduos ainda querem roubar mais o Estado Português. Eles quando estavam lá, estavam-se lixando para Portugal, diziam-no alto e a bom som. Acho que deviam ser presos em vez de andarem com petições. Depois, no tempo dos governos de esquerda não pediram nada? Sabem quem deu a descolonização? Foi o sr. Mário Soares e Almeida Santos, porque não recorrem a eles? Isto é mesmo pouca vergonha do PS e Companhia, vão lá depressa...

- joca
Só faltava agora dar dinheiro a estes. Se viviam em Moçambique e não queriam vir, que ficassem lá. Queriam mama lá e agora querem-na cá.

Verify your Comment

Previewing your Comment

This is only a preview. Your comment has not yet been posted.

Working...
Your comment could not be posted. Error type:
Your comment has been saved. Comments are moderated and will not appear until approved by the author. Post another comment

The letters and numbers you entered did not match the image. Please try again.

As a final step before posting your comment, enter the letters and numbers you see in the image below. This prevents automated programs from posting comments.

Having trouble reading this image? View an alternate.

Working...

Post a comment

Comments are moderated, and will not appear until the author has approved them.

Your Information

(Name and email address are required. Email address will not be displayed with the comment.)